Saiba o que é a Comunicação Não Violenta e como utilizá-la no ambiente escolar

  • Post category:Educador+

O conceito pode ser levado para trazer uma cultura de paz entre você e seus alunos

A Comunicação Não Violenta (CNV) foi criada pelo psicólogo norte-americano Marshall Rosenberg e pode ser levada para diversas áreas, desde política até educação. Ele se inspirou em Paulo Freire para que a prática da CNV pudesse alcançar mais pessoas de maneira democrática, participativa e contextual.

O roteiro  de Rosemberg, interpreta e demonstra a relevância dos métodos educacionais do professor Paulo Freire neste ano em que se comemora o centenário do seu nascimento. Paulo Freire, como se sabe, ficou famoso pela aplicação de seu método de alfabetização em Angicos, uma comunidade rural no Estado do Rio Grande do Norte em 1963, quando 300 pessoas foram alfabetizadas em 40 horas de curso.

Paulo Freire está hoje em terceiro lugar na lista de pesquisadores com maior número de referências em trabalhos acadêmicos. Curiosamente, ele teve a oportunidade de consolidar seu método e pensamento em livros (entre eles o “Pedagogia do Oprimido”) durante os 16 anos em que esteve exilado do Brasil durante os anos da ditadura militar iniciada em 1964.

Sobre a comunicação não verbal

O objetivo principal é não colocar um paradigma de que pais são superiores a filhos, professores superiores a alunos. Ele destaca que a melhor maneira de introduzir a comunicação não violenta no dia a dia é se conscientizar dos sentimentos , das nossas necessidades e de outras pessoas. Assim, as interações ocorrerão com mais respeito, atenção e empatia.

No mundo acadêmico, é importante que não só você, educador, siga essa conduta, mas sim toda a instituição. A violência pode ser com gestos, atos de forma brusca, sendo todo um contexto acadêmico.

Além de a CNV contribuir para a relação do educador-aluno, a saúde mental dos educadores melhora, já que eles se sentem acolhidos por toda a instituição, combatendo diversos problemas que podem sofrer como solidão e depressão. 

Ao notar que um aluno utilizou uma comunicação violenta, peça para ele reformular a frase utilizando o framework criado por Marshall:

  1. Observação (em vez de julgamento)
  2. Sentimentos (em vez de avaliações)
  3. Necessidades (em vez de estratégias)
  4. Pedidos (em vez de ordens)

Aqui no Educador+ valorizamos o trabalho com profissionalismo e respeito. 

Seja um Educador+ e tenha desconto em diversos parceiros, além de muitas dicas como essas e acesso a diversos cursos profissionalizantes! 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.